Home

O pânico tomou conta da intelectualidade brasileira, parte majoritária funcionária pública, já que são contratados com bons salários para pensar.

O restante dos servidores são burocratas, atuam, despacham, tocam a máquina física, e necessariamente não precisam pensar.

Acreditam piamente em tempos de trevas, uma vez que um neo-fascista ocupou o poder, ganhou o apoio da população alienada, e finalmente consolidou o golpe do “impeachment”. 

O “Lula Livre” e o “golpe” do “impeachment” grudaram na cabeça dos intelectuais.

Dilma foi abandonada, a democracia varrida pelos alienados, e já estamos mergulhados – poucos têm consciência desta tragédia – num regime de exceção.

Os intelectuais servidores do estado vivem dias de pânico com Bolsonaro, e suas tropas neofascistas instalados no Planalto.

Estamos em tempos de apologia da paranoia. Um intelectual de verdade não pode, em suas interpretações e análises acadêmicas, prescindir dela.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s