Home

Cunha e Funaro

Dois espectros rondam as cabeças coroadas de Brasília.

Todos os velhos caciques da velha República – PMDB, PT e outros aliados – unem-se numa Santa Aliança para conjurá-los.

Os presidentes da República, do Senado, da Câmara, e não menos as capas pretas do Judiciário; o Papa passado, Chávez, Peron, Metternich, Guizot,  se vivos estivessem.

Que grande partido, nestes últimos 14 anos, que grande político dominante desse período, de esquerda ou de direita, não corre riscos?

Estes dois espectros têm nomes: as delações de Lúcio Funaro e de Eduardo Cunha.

Os procuradores da MPF estão, no momento, fazendo escolhas.

É tempo de os delatores exporem à face do país o seu modo de ver, seus segredos, revelando nomes, o que fizeram, quais as alianças, como atuaram, quanto receberam.

Estes dois espectros, é possível, talvez sejam mais explosivos que o Manifesto Comunista de 1848, que terminou virando as cabeças do planeta, consolidando os ideais da Revolução Francesa, produzindo o bloco soviético do século 20, e o mundo nunca mais seria o mesmo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s