Home

de-costas

Cansado das pelejas políticas – morte de Teori, saída gloriosa de Renan do Senado, prisão de governadores, confrontos no Congresso, crise econômica, desemprego – passei em revista as querelas afetivas, a busca amorosa, enfim, o regaço para tornar suportável a vida, com sua lição essencial: a cada dia, sua agonia.

Fui, portanto, aos sites de relacionamentos, encontros e namoro.

Eis que deparo uma desquitada, na divisa dos 40 anos, que se apresenta como uma “mulher interessante, financeiramente resolvida, buscando encontrar um marido de meia-idade, sério, sem problemas de sobrevivência física, que, igualmente esteja cansado de tantas experiências amorosas”.

Delicada e sincera desquitada, pelas imagens, ainda uma bela e encantadora mulher, tenho absoluta certeza que o meu perfil, já um sessentão, não atende, longe disso, aos seus desejos.

E, no entanto, muito gostaria de conhecê-la.

Até porque não és uma mulher banal, estás muito acima das mulheres comuns, o que não deixa de ser encantador.

Fica claro que não queres amar, apenas não queres mais permanecer só. Nada mais sincero. Estás cansada de viver só. Muito parecido com o que sinto, mas isso, minha história, não é o que tu desejas saber.

Em tua procura, fica claro que não há espaço para os sonhadores, os que perseguem mistérios, os que buscam a paixão, as profundas juras de amor.

Já não tens, como eu, espaço para essas fantasias fugazes, perderam o prazo de validade.

Em nossa idade as paixões perdem o fôlego, a cor purpúrea vai ficando esmaecida, e o viço da vida, do corpo, dos desejos arrebatados, há muito enfraqueceu. Já não nos impactamos com os voos das borboletas, nem mesmo nas aleias do Jardim Botânico, tampouco celebramos a beleza, no céu infinito, do Cruzeiro do Sul.

Esse companheiro que procuras precisa falar da tomada de Constantinopla, da estupidez do Trump, celebrar a vitória dos vietnamitas diante das tropas americanas, e não apenas citar o tombo de Margarida nos braços de Fausto.

Se ele resgatar algumas fábulas, todos os homens interessantes precisam conhecer as fábulas, principalmente a vitória da raposa diante de um cacho de uvas inalcançável, se ele nunca leu Paulo Coelho, se não exibe tatuagens com orgulho, já são atributos que certamente vão te mobilizar.

Desquitada dos meus pecados, tentação em carne e osso, trilha de mau caminho, diabo de mulher misteriosa, quem és tu, que tanto sabes, percebes e encantas?

Um oficial da Guarda de D. Pedro II – foi um herói na Guerra do Paraguai – perguntou um dia a Machado, como se havia de curar do tédio que o amofinava.

Recorrendo a uma metáfora, confessou; “não é a tempestade que me aflige, mestre, é o enjoo do mar.”

Desquitada sonhada, tentação feito gente, obra-prima do desejo,  filha de Asmodeu, pecado dissimulado em penitência, pensando bem, o que tu queres não é um marido, um companheiro.

O queres é um remédio contra o enjoo.

As tempestades, cheias de emoção e medo, mas plenas de amor à vida, já as vivestes intensamente. 

Ps –  Apud Machado de Assis

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s